Quando as pessoas falam em cinema e citam técnicas usadas em filmes cults ou dramas. elas pensam que os filmes de herói não seguem um tipo de técnica, mas ai é que se enganam. E falhar ou acertar nessas técnicas muitas vezes pode determinar o sucesso de um desses blockbusters com o público.

No programa de hoje a gente vai falar sobre erros e acertos da Marvel e da DC utilizando algumas técnicas nos filmes.

Os filmes da Marvel são realmente muito bons, e é assim que Patrick Willems, começa o vídeo aonde ele diz sobre o porquê os filmes da Marvel têm uma aparência meio feia.

E antes de você dar deslike no vídeo ou xingar o Patrick, ele não está dizendo da roupa, armadura ou maquiagem dos heróis e sim de algo mais técnico. A coloração dos filmes.

Pra você que pensa que coloração de filme é apenas deixar o caminhão azul, vermelho, então você ainda não entendeu a pegada.

Vou explicar pra você de forma rápida a importância da coloração no cinema.

Conhecido como color grading, esse processo de gradação de cores é tão importante que existem profissionais especializados somente nessa área, e os caras ganham uma bolada fazendo isso.

Dentro do processo de coloração, o colorista como é chamado o profissional da área, não chega só pintando as coisas por ai pra deixar com cara de cinema. Normalmente o diretor do filme, ou o diretor de fotografia, acompanham esse processo.

Mas ai você pergunta: Porque?

O processo de coloração diz muita coisa sobre oque se passa na cabeça do personagem, ambiente e história do filme.  Como por exemplo o filme The Lobster ou O lagosta. O filme conta a história de uma humanidade distopia aonde a amargura e a solidão estão presentes, mas também há certo estranhíssimo no roteiro. Pra que o publico sinta a melancolia e a falta de amor no ambiente do filme. A coloração usada foi um tom sépia fraco e desbotado com azul esverdeado. Uma coloração Orange and Teal só que opaca. Que transmite a sensação de que algo falta ali naquele lugar, de que as coisas não vão bem.

 

No filme Manchester a Beira mar, o tom também é um Orange and Teal que não chegam a trazer a sensação de vazio e tristeza que o Personagem do Kensem Aflick sente durante a trama. Dentro desse color grading os tons pretos estão bem definidos e o verde, azul, laranja e vermelho estão de alguma forma sempre presentes em cena. O Colorista foi Jack Lawers que disse que tudo isso foi proposital, ele manteve o brilho do filme forte e as cores presentes mesmo em momentos de alta tristeza pra que as cores não falassem mais alto que as atuações. Ele não queria esconder as emoções dos personagens na coloração do filme.

No filme Mad Max a coloração forte também um Orange and Teal, traz a impressão forte de deserto e poeira. E é uma das colorações mais bonitas que eu já vi. Pra você ter ideia da importantancia do color grading as cenas noturnas de Mad Max foram gravadas de dia pra que ele o diretor tivesse o máximo de detalhe e depois passou pelo processo de color grading que mudou o ambiente do dia para a noite.

Então aqui você pode ver que a coloração pode ser usada de diversas formas no cinema e por isso ela é tão importante.

Dentro do universo de heróis ela serviu pra dar identidade aos estúdios. Então se é um tom mais escuro mais azulado sabemos que é Dc, e se tem um tom mais opaco, sabemos que é da Marvel.

Mas a questão é o porque Patrick está certo quando diz sobre a coloração da Marvel ser meio feia?

Com o tempo os filmes da Marvel adotaram uma coloração meio terrosa, ele chega a comparar com cor de asfalto, meio sem vida. Acredita-se que isso traz mais realismo pro filme.

Mas um filme aonde heróis com armaduras de ferro, monstros verdes, guardiões da galáxia abitam, necessitam desse realismo?

Patrick coloca lado a lado a cor original da Marvel e uma coloração que pra ele aliviaria essa carga de realismo e daria vida e beleza para os filmes do estúdio.

Que é o que acontece no homem aranha de volta ao lar. Aqui as cores estão mais presentes, mais vivas e quando o homem de ferro aparece fica até mais bonito, porque o vermelho da sua armadura está mais vivo.

Sabemos que a Marvel tem muita vantagem sob a Dc em termos de roteiros, mas quando o assunto é color granding a Dc é mais ousada.

Mesmo que Snider tenha adotado um tom sombrio em seus filmes, temos ainda sim mais presença de cores. Por exemplo o uniforme do Superman mesmo sendo um azul mais denso que o comum, o vermelho e o azul escuro saltam da tela quando ele aparece. Na batalha final em BvS as cores estão muito presentes, são escuras, mas são vivas.

Mas então fica a questão: Se a Dc sabe usar bem as cores pra chamar a atenção do publico então em que ela erra?

O fato é que a Marvel tem personagens cativantes, ao contrario da Dc, que não tem seguido as regras básicas pra se fazer um filme que o publico se identifique com o herói. A Marvel seguiu e tem seguido a tão boa e velha conhecida: Jornada do herói. Que eu tenho certeza que você já ouviram falar.

Estudada por Joseph   Cumpbell autor do Livro herói de mil faces, A jornada do Herói é uma forma fácil de fazer o publico se sentir cativado pelo protagonista da história.

Agora vamos aplicar isso ao um dos filmes da Marvel. Que tal o filme que abre o MCU, homem de ferro de 2008. Tony Stark é um grande negociador de armas, e ganha dinheiro vendendo armas que matam e assolam outras pessoas. Quando questionado sobre isso ele debocha. Até que é sequestrado, mantido em cativeiro e ameaçado por terroristas que usam as armas das industrias Stark.

Dentro da caverna ele encontra um possível amigo, o tal do assistente que faz o chamado pra ele. Diz que só ele pode tira-los dali.

Mas Tony diz que não pode fazer nada por eles, e que vai construir oque eles pedem pra que eles sejam soltos. Até que chega um ponto aonde ele percebe que precisa tirar os dois dali e começa então a construir com partes do míssil uma armadura.

Depois que ele sai dali percebe que não quer mais vender armas e agora decide salvar as pessoas. Tony tem uma motivação do porque não continuar na indústria de armamentos e ao contrario do que fazia ao debochar dessas pessoas, agora ele sente que deve a elas e quer acabar com o terrorismo e mortes por armas no mundo.

Você sente no fim do filme que Tony Stark evolui, ele cresceu como pessoa. Ele não tem só uma armadura de ferro, ele é alguém que você admira mesmo sem ela. O héroi não é o homem de ferro e sim tony stark.

O filme passou por todo ciclo da jornada do herói, ele saiu da zona de conforto, recebeu o chamado, atendeu, enfrentou seu inimigo, voltou pro seu cotidiano, mas agora diferente.

Agora vamos avaliar a DC, o maior problema dela são personagens, já que não nos importamos com eles. Os filmes da DC sempre vem carregados de uma forte campanha de marketing, esquadrão suicida que o diga. A DC pensa diferente da Marvel, e acredita que porque gostamos dos heróis na versão desenhos animados e filmes antigos, automaticamente vamos amar os de agora, mas a verdade é que não. Muitos de nós não amamos as versões de agora. E calma, não quero dizer que não são fantasticamente bons em relação a uniformes, efeitos ou qualquer coisa do gênero. O fato é que eles não tem uma personalidade que nos sirva de espelho.

Vamos começar pelo filme que deu inicio ao DCEU, o homem de aço. Aqui Super man, inicia o filme, tirando homens de dentro de um navio em chamas. Ele já mostra quão poderoso é. Depois disso ele viaja pelo mundo de trabalho em trabalho. Ainda não sabemos a motivação dele do porque ele precisa salvar a humanidade. E em todo filme a única mudança que vemos nele é quando ele resolve fazer a barba. No começo do filme ele destrói um caminhão de um cara só porque o cara foi rude com ele, e no fim um drone militar, porque eles o deixaram irritado. Não vemos o que o motiva a salvar ninguém, ainda mais que quando ele era criança o pai dele dizia pra ele não fazer isso, mas que um dia ia ser héroi. Tipo deixa a galera morrer agora e depois você ajuda outra galera, essa galera de agora vai ter azar. Tanto que nessa, ele deixa o próprio pai morrer. Ou seja, ele tem mais motivos pra odiar a humanidade do que realmente ajuda-la.

Robert Mckee em seu livro Story, ele diz o seguinte:  pois o verdadeiro caráter de um personagem é revelado nas escolhas que um ser humano faz sob pressão – quanto mais pressão, mais profunda é a revelação, mais verdadeira para a essência do caráter do personagem é a escolha.  E é isso o que revela a verdadeira natureza daquele personagem – pressão é a única forma de revelar essa natureza verdadeira – até porque, essa é a forma como a natureza humana se revela.

Ele diz basicamente que a escolha que ele vai fazer quando estiver sob pressão é o que vai determinar o verdadeiro caráter dele, exatamente quem ele é.

 

Por exemplo no primeiro filme do homem aranha dirigido por Sam Raimi, Tio Ben da aquela lição icônica no Peter, (cena).

logo depois por uma escolha egoísta de não ter segurado o ladrão que roubou o cara que não pagou ele direito pela luta no ringue, acabou ocasionando a morte do tio Ben. Depois disso ele decide agir da forma certa seguindo o conselho do seu tio e aceitando as suas responsabilidades.

Agora quando voltamos para o filme do homem de aço, fica uma questão aberta. Em que momento ele teve que tomar uma decisão importante que o definisse como héroi? Qual é a motivação dele pra isso?

Patrick ainda consegue deixar isso mais denso, quando você pensa no segundo filme da saga o Batman vs Superman. Aonde na maior parte do filme que tem duas horas e meia se você não estiver vendo a versão estendida, aonde Superman está focando em ajudar pessoas mesmo não gostando muito da ideia e tentando impedir o Batman de fazer oque ele acha errado… ir atrás de bandidos.

O super man se foca tanto em parar o batman que esquece de fazer o mais importante… ajudar as pessoas.

Ele é tão sem noção, que aparece de repente enquanto o batman está numa perseguição, para o batmovel, ameaça o batman, sai voando com sua capa mona e deixa os bandidos fugirem.

Tanto que quando ele morre, ninguém se importa. Isso não foi um choque para o público. E pelo simples fato da falta de ligação com o publico.

Mas quando você acha que as coisas não podem ficar pior, então chega esquadrão suicida.

No filme temos super vilões que agora precisam salvar o planeta, os protagonistas dessa barbaria são o Pistoleiro e a Arlequina, que tem mais personalidade que o batman e o superman, mas mesmo assim não tem um bom arco e não são desenvolvidos.

O pistoleiro, é um assassino de aluguel que tem uma filha e não quer que ela pense coisas ruins dele e pra isso ele quer mudar porque não gosta do que faz pra viver. Mas quando ele finalmente está prestes a atirar na bomba pra matar um vilão , a sua filha aparece como em uma visão dizendo pra ele não fazer isso. WTF?

Sem contar a falta de conectividade entre o grupo de vilões, o furo tosco no roteiro, aonde o vilão do filme foi criado pela própria Amanda Waller sem necessidade ou explicação realmente plausível. E não podemos esquecer do El Diablo que chama eles de família sem sentido nenhum. Eles não tiveram momentos fortes pra que ele diga isso. E o Deus Ex usado pra matar o vilão secundário é ridículo. Mas não é sobre isso que estamos falando.

Mesmo que a DC tenha esse erros, uma coisa temos que admitir e isso Patrick tem muita razão quando fala. A DC tem temas musicais realmente memoráveis, diferente da Marvel, sem contar a coloração vibrante dos seus filmes e elencos muito bons também. Sabemos que Snyder e companhia querem ter um olhar realista de como seria se tivéssemos heróis aqui na terra, e temos que admitir que ele consegue passar a sensação de pânico e estranhíssimo, talvez só mal executado.

O fato é que os dois estúdios tem seus pontos positivos e negativos, e é muito bom pra nós que eles estejam tentando trazer o melhor deles, e nós como fãs não precisamos fazer disso uma guerra com dois lados, mas sim que possamos apreciar os dois universos e apenas agradecer por estarmos vivos na melhor época pra sermos nerds.

 

Comentários

comentarios

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here